sábado, 25 de dezembro de 2010

"Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele. É realmente muito simples, mas, mesmo assim, nós humanos, tão mais sábios e sofisticados, sempre tivemos problemas para descobrir o que realmente importa ou não. (...) Às vezes, era preciso um cachorro com mau hálito, péssimos modos e intenções puras para nos ajudar a ver."

Marley and me.
(página 292)




sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

UEMG - Meu reality show

"Sabe? Cada coisa tem sua magia! Antes ouvia ou outros falarem que na universidade você vive a melhor fase da sua vida (e eu acreditava por ver o brilho no olhar dessas pessoas). Hoje posso eu mesmo dizer: “Sim, na universidade você vive a melhor fase da sua vida [apesar de eu ainda não estar morto].” São tantas emoções sentidas que explicar com veracidade se torna algo extremamente difícil. Só vivendo isso pra saber. 
Diria que é um Big Brother, sem produção, patrocinadores e nem apresentadores. Primeiramente que entrar não é fácil. Você passa por uma difícil seleção: o vestibular. Quando fica sabendo que foi aprovado então, ihh é a melhor notícia que já recebeu. Daí em diante você será “obrigado” a conviver com pessoas, em sua maioria, desconhecidas e com elas deverá ficar “confinado” durante meses a fio. Haverá negros, brancos, índios, orientais, caipiras, metropolitanos, emos, vida loka, gente de diferentes berços, classes econômicas, culturais e crenças. 
No começo tudo é festa, é eufórico, é unido, não há problemas. Mas as diferenças de personalidades falarão mais alto e aos poucos você vai se identificando com algumas pessoas, algum grupo e simultaneamente se afastando dos outros. Não que a magia tenha acabado, é uma questão de ‘escolher os personagens do conto de fadas’ que você quer ter mais próximo. Mas o BBB não é só isso! Há também as provas. De todos os tipos: de resistência (resistir à saudade da família; ao desejo de jogar tudo pro alto quando a fivela aperta; à vontade de matar teu professor de Teoria das Organizações [risos]); provas de estratégia e criatividade (não basta ser bom, tem que ser inovador e prático); provas de força (força de vontade pra dar conta de todos os trabalhos) e muitas, mas muitas provas de amizade. 
Ainda tem as festas! Temáticas, não-temáticas; com fins lucrativos, ou simplesmente a fim de se divertir; com pegação, com gente BÊBADA, muita gente BÊBADA e gente MUUUUUITO BÊBADA, com aminésia, com pinga, com jurupinga, com cerveja vodka vinho etanol (MEU DEEEEUS, UM VIVA AO PROCESSO AO PROCESSO SUCROALCOLEEEIRO!!!!!) hehe. Conselhos também são úteis. É importante saber ouvir os “Pedros Biais” que aparecerem na frente de seus acentos. Por fim, mas não menos importante, as amizades. Daquelas de só dizer oi e daquelas de abraçar, sorrir, cantar, beber, chorar e se ajudar. Amizades que você faria tudo para tê-las por perto depois da formatura, ou se possível até que a morte vos separe. E o maior prêmio é um sorriso, um abraço, um... te amo. Pois, são momentos que nem um milhão de reais ou de euros compram. De ruim? Só a saudade e a solidão das férias!
Um grande abraço a todos que fazem parte desses momentos e, mais amplamente, dessa etapa maravilhosa da minha vida. Sem mais, fica o soar do grito de guerra: UEEEEEEEMG. UEMG minha vida, UEMG minha história, UEMG meu amor. Eu te amo UEMG."

Lucas Gois



quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Quem acredita, sempre alcança.

Como se cria um vencedor? De onde ele surge? Quem ele é? Como nos damos conta de que ele realmente é um vencedor? Talvez isso muitas vezes não tenha importância alguma, e não faça nenhum sentido a maioria das pessoas, mas para os verdadeiros vencedores, faz muita diferença.
Vencemos todos os dias, a todo o momento. Vencemos desde o momento de nossa concepção, afinal, entre milhares de espermatozóides, você foi o escolhido para se tornar alguém. A vida é feita de vitórias e algumas derrotas, afinal se fosse perfeito não haveria graça alguma.
Todo tipo de vitória é válido, mas aquela que você tanto lutou para alcançar, que sempre foi mais que um objetivo, era uma meta, um sonho a ser realizado, sem dúvidas essas são as mais saborosas. Quando todos dizem que você não vai conseguir, a ponto de que você também passa acreditar nisso e de repente você percebe que conseguiu. Quando nem mesmo você acreditava mais, quando ninguém te apoiou, e mesmo assim você venceu; Pode até ser algo bobo, pequeno, mas quando vêm nessas circunstâncias, se torna tão grande, que não cabe dentro de nós.
Estudei um ano todo, mal pisei na rua, não aguentava mais, mas tinha em mente minha meta e sabia que não descansaria enquanto não a cumprisse. Mal saía de casa, e não me arrependo, sei que não me perdoaria se pisasse em falso agora. Era a minha chance, minha única opção. Era o que eu queria, o que eu quero, sempre quis, e não deixei ou deixarei nada me impedir disso.
Depois de tanto, veio minha recompensa, e que bela recompensa, segundo lugar, melhor do que eu imaginava, superei minhas próprias expectativas, e calei a boca de todos que diziam que eu não conseguiria. Provei a todos que pobre pode sim passar em uma universidade pública, a questão é querer e lutar por aqui que se quer. Provei para o meu pai que não é regra que todos nascidos aqui são obrigados a cursar faculdade aqui, viver aqui e aqui morrer, e se isso realmente for uma regra, me perdoem, mas eu sou a excessão. Provei principalmente a mim mesma do que sou capaz e isso só me deu mais ânimo para seguir e fixar mais uma vez a idéia de que nada vai me fazer desistir.
Junto com a minha alegria, veio uma grande tristeza de saber que minha amiga não teve a mesma sorte que eu. Doeu muito, eu não sabia se chorava por ela, ou se gritava de felicidade por mim, mas fazer o que, a vida não é como queremos, e não podemos carregar todos que gostamos grudados em nós para todo sempre. As coisas mudam, as pessoas crescem e logo não podem mais caminhar juntas, apesar de estarem sempre umas com as outras.
Gritei, chorei, pulei, sorri, afinal eu consegui. Não me dei conta até agora que isso é real, ainda soa em minha mente a idéia de que seja apenas um lindo sonho e que logo cairei na realidade. Mas, dane-se, o que conta é o agora, passados e futuros nunca me interessaram tanto. Curtirei como sempre curti tudo que acontece na minha vida, e apesar de ter um tempero especial, um detalhe mais do que emocionante, essa é mais uma vitória, entre tantas que já conquistei, conquisto todos os dias e ainda irei conquistar, porque o combustível da vida, é acreditar em você e não parar de lutar.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Enfim, 18.

Fazer aniversário é sempre algo muito esperado, ainda mais quando se é uma data tão esperada como os dezoito anos. É, ontem foi o meu aniversário e finalmente estou na maioridade. Não teve festa alguma e nem ganhei os presentes mais caros do mundo mas, ganhei os mais valiosos: o carinho dos amigos.
Não tenho como descrever como me sinto especial e incrivelmente feliz com todos aqueles parabéns e mesmo sabendo que muitos não foram de bom coração sei que alguns ali foram verdadeiros e que realmente gostam de mim e se preocupam.
Mesmo com tantas pessoas otimistas dizendo que seria um dia normal, não há como ser totalmente normal. É um dia especial por mais simples que seja. É a carta de alforria, libertação total e isso pode significar ainda mais quando se é sagitariana nata como eu.
Não vou tirar carta por enquanto, e quanto a compra de bebidas, isso já sou acostumada. Mesmo não desfrutando, agora eu tenho dezoito e isso significa muito pra mim. É como se agora as barreiras não existissem mais. Eu por mim e só, mais ninguém. Uma independência que no mínimo me tirou uns bons pesos dos braços. Foi um dia normal sim, mas com significado único. Recebi parabéns até das pessoas que nunca imaginei receber. Uma amiga que mora longe ficou acordada só para me dar os parabéns e isso já valeu tanto.
Eu queria sim uma festa, queria meus amigos todos comigo, e principalmente os que estão longe e não ganhei nada disso mas, o que eu ganhei sem dúvidas me fez tão feliz quanto o meu desejo, ganhei a maravilha de ter os melhores amigos do mundo.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Se fosse pra te deixar, te deixaria dentro de mim

Tudo parecia que não ia dar certo: O cancelamento da estréia em Fernandópolis, minha mãe furiosa com a minha segunda opção de ir para São José do Rio Preto, meu pai que não queria me liberar verbas para ir alegando que era uma loucura completamente desnecessária. O motorista que quase me matou de susto dizendo que não tinha mais lugares no ônibus. Mas tudo foi ocorrendo conforme o planejado.
Chegamos ao shopping cerca de uma hora antes do início da sessão. A adrenalina já estava a mil. Quase dez anos de filmes e eu nunca havia presenciado um evento como este. Logo na entrada fomos passados por um jovem, trajado o uniforme de Hogwarts e com a capa esvoaçando. Eu juro que achei que não poderia melhorar mais. Na porta do cinema, pessoas com colchões e duas de barracas, simplesmente não acreditei e quando finalmente entramos, não me contive e desabei em lágrimas. Sim, comecei a chorar. Um choro silencioso e discreto, mas não pude segurá-lo mais. Ver tantas pessoas lá, pelo mesmo motivo que eu, tão aflitas quanto eu, tão fanáticas, e algumas até piores do que eu, foi uma sensação inexplicável. Não tenho palavras pra descrever o que foi aquilo.
Passado o primeiro impacto, comecei a me deslumbrar ainda mais com tudo que estava vivendo. Gente de todas as idades fantasiadas! Sim, todas as idades mesmo. Os seguranças e responsáveis pelo cinema uniformizados com uma camisa preta, escrito em prata: HP7 no peito, e nas costas: Nenhum lugar é seguro, mas para mim ali era seguro. Eu não queria estar em lugar algum além dali. Lutei durante uma semana e não conseguia acreditar que tudo havia dado certo, tão certo. Eu queria gritar, sei lá, mas resolvi tirar fotos. Havia todo um ambiente montado, com posters e banners, tudo perfeitamente decorado para o evento que ia acontecer daí alguns minutos. Meu amigo, se encontrou com vários conhecidos, entre eles, um casal de amigos que se familiarizaram muito melhor conosco e já nos agrupamos. Feitas as apresentações, passamos a tirar mais fotos.
Faltavam 15 minutos, demos uma olhada na fila da pipoca e decidimos não encará-la. Enfim entramos. A sala era perfeita. A tela, cadeiras, iluminação, tudo milhões de vezes melhor do que o cinema fajuta que eu havia frequentado umas duas vezes antes. Como eu me sentia? não conseguia explicar, e ainda não consigo. Quando finalmente sentei e me dei conta o que estava para acontecer, comecei a chorar novamente. Sim, sou a maior chorona do mundo, mas eu não conseguia me conter, se não chorasse acho que desmaiaria. Comecei a conversar com o pessoal que estava por perto, dei risadas e comemorei. Pensei em desligar o celular mas primeiro tive que enviar um sms pra alguém, qualquer pessoa, mas eu precisava muito compartilhar isso com uma das minhas amigas. Quando as luzes se apagaram e todos aplaudiram e gritaram ao mesmo tempo, juro que achei que tinha morrido e que aquilo era o paraíso. O filme se iniciou e eu já não havia mais maneiras de me emocionar. Caí em lágrimas novamente no início dramático, e chorei quase o filme todo, caindo em soluços no fim. Então terminou, e eu com cara de idiota. Não acreditava em tudo que tinha vivido até ali. Estava paralisada, drogada, sem reação alguma. Na saída me dei conta do número de pessoas que ali estavam: oito salas. Oito! Todas lotadas de fãs, era mágico.
Saímos do shopping as três e meia, e só teríamos transporte as cinco. A solução foi andar algumas quadras até uma loja de conveniência e comprar algumas coisas. Uma garrafa de vinho e um saco de chips foi o suficiente para nos acompanhar até a hora necessária. Passamos frio mas rimos muito, e conversamos até que o sono nos deixasse em paz. No ponto de ônibus tiramos mais algumas fotos. Subimos no ônibus não cansados e nem desanimados mas com a sensação de dever cumprido.
Quando chegamos na república, um dos outros morados estava estudando. Nada muito estranho para estudantes de uma universidade pública e concorrida como é a UNESP. Tratamos de nos trocar logo e desmaiei no colchão.
Acordei por volta das dez, com minha mãe coruja ao telefone desesperada porque já havia ligado duas vezes. A breve conversa apenas para afirmar que eu estava viva foi mais breve do que se possa imaginar. Tratei de tomar um banho e passei a arrumar minha mala. Na organização uma surpresa: havia esquecido minha máquina fotográfica no ponto de ônibus. Na verdade perdido né, porque nunca mais vou vê-la. Não fiquei triste pela câmera, afinal coisas materiais agente consegue outros, e até melhores mas sim, pelas fotos que tinham nela, era como se uma parte das minhas lembranças fossem apagadas.
Chamei meu amigo para que ele me levasse ao ponto de ônibus, e logo já estava no shopping novamente. Me perdi procurando o ponto onde o motorista disse que me esperaria, e quase fui atropelada. Detalhes a parte, consegui me localizar e assim que cheguei ao local, encontrei a filha da minha vizinha. Conversamos cerca de dez minutos e então conseguimos carona com um pessoal de uma cidade vizinha daqui.Cheguei em casa por volta das seis da tarde; Cansada, quebrada e morta de sono mas, acima de tudo feliz por ter vivido o que eu vivi.
Nada que eu diga poderá explicar o que eu passei nesse evento e tudo que senti. Nem o quanto me doeu ter perdido aquelas fotos, como se metade de minha memória fosse pelo ralo. Mas eu não podia perder, não podia deixar Harry, Ron e Hermione sozinhos agora. Eu estive com eles todo o tempo e terminarei com eles tal como eles sempre estiveram comigo, me ensinando valores e coragem. Mesmo com tudo que deu errado, para mim não haveria meio de ter dado mais certo. Não me arrependo de nenhum movimento feito. Eu lutei pelo que tanto queria e tanto era necessário para mim. Talvez não para todos e tolice para muitos mas para mim foi mais do que necessário e hoje só me recordo com alegria de ter me permitido viver a emoção que vivi e só me arrependo de não ter ido antes. Se fosse pra deixar de ler, assistir e viver Harry Potter acho que preferiria morrer. Todo esse universo é parte de mim, e não seria nada sem eles.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Ema, ema, ema, cada um com os SEUS problemas


Sabe, não sei o que posso fazer para compreender esses humanos atuais. É tanta preocupação com os outros que eles se esquecem de si mesmos. Não estão mais contentes em viver apenas suas vidas e estão cada dia mais revoltados com as roupas que os outros usam, seus cabelos ou sua opção sexual.
É revoltante assistir um jornal e receber a notícia de que um grupo de jovens agrediu outros dois jovens homossexuais ontem, sem mais nem menos e pior que isso é que ainda existe gente que defende-os. Outra covardia aconteceu no Rio de Janeiro: um jovem foi baleado na barriga após participar da parada gay e segundo ele, quem disparou a arma foi um policial militar. Que mundo é esse em que vivemos? Pessoas se agredindo e muitas vezes matando o seu próximo por simples ignorância.
Qual o problema com a mentalidade humana? É tão difícil assim cuidar apenas de sua vida e da sua opção sexual?
Membros de certas igrejas ainda reclamam contra projetos de lei contra vários tipos de preconceito, alegando que Deus fez o homem e mulher para se completarem. Aham, tá bom né... e será que o Deus dessas pessoas gosta e manda que agridam e matem seus próximos? Muito respeitoso tudo isso, muito mesmo, totalmente religioso e bom. Seria bom que estas pessoas se tocassem que o tão bondoso Deus deu uma vida a cada para que cada um vivesse como bem entendesse, livre arbítrio, e que se elas estão tão erradas assim quem vai arcar com as consequências disso tudo são elas mesmas.
Pessoas usam roupas desconfortáveis apenas para estar na moda, vão a lugares desagradáveis apenas por que é frequentado... onde vamos parar? O amor próprio está fazendo falta por aqui, talvez ele não tenha aguentado a podridão da sociedade atual e fugido sei lá, talvez esteja em marte ou morto.
O que os outros vão achar ou deixar de achar devia ser a última coisa em se pensar, ou talvez nem devia sem pensar nisso porque a vida é deles. E o que os outros fazem ou deixam de fazer não tem nada haver com você, você não tem direito nenhum de intervir nisso ou de dar opinião, para isso você tem a sua vida. Sinceramente não entendo, ou talvez escolho por não entender para ver se evito maiores revoltas.
Será que o mundo em que cada um cuida apenas de si prórprio e se preocupa com suas escolhas está tão longe assim? Porque sinceramente este já me cansou.


sábado, 13 de novembro de 2010

A magia não está somente nas varinhas

Está por toda parte. Nos cercando e fazendo parte de nossos dias, fãs e aspirantes a fãs por quase dez anos. Tenho tanto orgulho de fazer parte dessa geração. A geração Harry Potter. 
Achei que tinha acabado, juro que achei que estava livre desse vício mas, é bem mais forte que eu e percebi isso quando me deparei à trinta dias da estréia da primeira parte do ultimo filme. Sem dúvidas uma ideia sufocante e desesperadora. Como assim ultimo? O que será de nós que crescemos com Ron, Hermione e Harry? Infelizmente nada é eterno, e isso é mais uma prova disso. 
Se não fosse a angústia de ser o último filme, talvez ainda estivesse tudo a mesma coisa. O desespero por ingressos, a fila, a emoção ao ver o filme rodar… Quem é fã sabe do que estou falando. Não podemos deixar afogar em mágoas, temos que agradecer por tudo que Joane Kathleen fez por nós, e por toda a nossa geração. Tudo que nos ensinou e compartilhou conosco. Absolutamente tudo que fez por todos nós. Tenho tanto a agradecer que me faltam palavras. Não há como descrever um sentimento tão puro quanto esse. Seria gratidão?
A intensidade a qual esperamos cada lançamento de livro, cada estréia, cada tradução foi sempre a mesma, e sem dúvidas continuará a mesma sempre afinal enquanto houver fãs, Harry estará vivo e vitorioso como sempre.
Choro. Chora-se tanto nessas ocasiões não? Medo, de ficar sem ingressos, de perder, de não ter tempo de chegar, medo de tanta coisa. Tristeza, li cinco vezes o ultimo livro e não me conformo até agora com a perca (em geral).
É tudo tão real e tão fictício ao mesmo tempo. Magia, pura magia.
Passei meus onze anos esperando minha carta de Hogwarts mas, Dumbledore deve ter entregado-a a coruja errada. Era tudo tão artificial e tão agradável. A única coisa que espero é que eu possa partilhar um pouco de tudo isso para meus filhos e talvez até netos, seria muito egoísta em não os apresentar ao maior fenômeno de Literatura Juvenil de todos os tempos. Seria muita injustiça não lhes ensinar a serem espertos como Ron, inteligentes como Hermione e corajosos como Harry, nosso Harry.
Despedir-me de tudo isso, seria como arrancar um braço. Não posso fazer isto, não tenho tanta capacidade. Prefiro deixar tudo quieto como se continuasse para sempre, como vai continuar em mim. Tanto o trio, como todos os outros, até mesmo o Dobby são e serão sempre eternos, não importa como. Harry cresceu comigo e morrerá comigo.


Trick or Treat?

Nunca fui uma criança muito normal, se é que existe um perfil de criança totalmente normal. Desde muito pequena não seguia os padrões de ninguém. Sempre odiei as princesas da disney, cor de rosa e toda aquela frescura. Passava todas as minhas tardes jogando quebra-cabeça e odiava bonecas. Por conta disso não tive muitas amigas na infância, e nem amigos. 
Um dos poucos amigos que tive, foi a série Harry Potter que me acompanhou toda a minha infância e me influenciou ainda mais a gostar cada vez desse universo que eu sempre fui apaixonada: fadas, duendes, gnomos, criaturas mágicas e principalmente bruxos. 
Descobri o Halloween completamente com mais ou menos sete anos, antes eu até sabia do dias das bruxas porque via nos desenhos que tanto me influenciaram. A partir daí enlouqueci. Por três anos consecutivos me realizei programando e promovendo festinhas de halloween na minha casa, com uns dez amiguinhos cachorro quente e doces, como um aniversário.
Hoje não faço mais minhas festinhas, nem saio para pedir doces mas o halloween nunca passou em branco na minha vida. Me sinto inexplicavelmente bem nessa data. É quase melhor que meu aniversário. Sério, mesmo. Não sei qual o problema que as pessoas vêem numa data indefesa com um significado tão mágico. Ridículo, simplesmente isso. 
Dia do Saci? Que porra é essa? Brasil, me desculpe mas isso não passa de uma ENORME dor de cotovelo, porque sinceramente… Qual o problema em comemorar o Halloween como ele mesmo!? Para que inventar dia do Saci? Já existe o dia do folclore, e é em 22 de agosto, puta merda né? O povo dos Estados Unidos gosta tanto da nossa cultura, porque ficar apedrejando a deles? Nacionalismo? Até parece né… O povo brasileiro é um dos povos menos nacionalistas que já vi. Só ficam escrevendo brasileiros na testa em copas do mundo, de quatro e quatro anos. 
Podem falar o que quiser, e até me acusar de satanista, mas para mim Halloween será sempre o Halloween, uma data muito mágica em minha vida e Dia do Saci é só mais uma gracinha de brasileiros invejosos, tentando provar que são melhores que os outros, mesmo não sendo. 
De qualquer forma, faça sua escolha: gostosuras ou travessuras? Cuidado com o Jack, Noiva cadáver e afins que assombram a programação da tv aberta (que vive tentando ser legal). Faça sua abóbora, ou fique em casa como se fosse um domingo qualquer, porque eu vou comemorar com a mesma alegria que celebro qualquer data festiva, afinal, é para isso que cada um tem sua vida: para vivê-la como achar melhor e posso afirmar que a minha escolha é muito mais doce e divertida. 

HAPPY HALLOWEEN! 
(Escrito em 31 de Outubro de 2010)


Dependência

Não sei se é o rumo do mundo, ou se é um grande defeito da humanidade atual, mas as pessoas estão cada vez mais e mais dependentes de tudo. Desde as coisas mais fúteis e inúteis até as mais complexas. Isso é doloroso e simplesmente enjoativo. 
Gosto de ajudar as pessoas, acho que isso te torna mais humano e sensível mas ODEIO pessoas que dependem de mim. É ridículo ter que esperar uma pessoa fazer algo pra você porque você não faz, e geralmente nem é porque não pode e sim porque nunca tentou.
Nunca gostei de depender de ninguém, desde muito pequena e não entendo como certas pessoas se sentem confortáveis com essa situação. O mundo pode começar a desmoronar que ninguém faz absolutamente nada além de olhar um para a cara do outro esperando uma atitude. 
Grandes coisas só são feitas com atitude. Tudo depende de atitude. As coisas não acontecem em anos e sim em segundos, o tempo passa e infelizmente não temos o dom de voltá-lo. 
Não podemos fazer tudo sozinhos, mas independência não faz mal a ninguém.

 

Loucura democrática

Até que ponto que este país vai chegar? Porque sinceramente, acho que não estamos muito longe do limite não. Um palhaço, supostamente analfabeto eleito como deputado federal mais votado de todos os tempos? O que é isso Brasil? Estamos nos antecipando para o fim do mundo? 
Você que votou nele, só me resta uma pergunta: Porque você fez essa merda toda? Alguém ao menos sabe quanto custa um deputado para os cofres públicos? Exatos Cento e sessenta e seis mil quinhentos e doze reais e nove centavos mensais. Cento e sessenta e seis mil reais que podiam ser investidos em algo mais cabível, ou pago a um deputado que realmente trabalhasse. ”Antes um palhaço que um ladrão”. Quem garante que ele não vai roubar? Ignorância tem limites, não?
Em tempos que Restart leva todas do VMB, mesmo tendo músicas sem letra e sem sentido algum e Crepúsculo sendo a obra mais criticada dos anos 2000 ganha todas no prêmio nick resta várias ideias, como por exemplo: O povo brasileiro está esquecendo de amadurecer? Ou o problema é com os governantes mesmo?
Reclamam tanto, e na hora de fazer alguma coisa o que fazem? Acabam de piorar mais um pouquinho afinal: Desgraça pouca é pura bobagem. Sinceramente não faço ideia do que passou pela cabeça do um milhão e trezentos mil eleitores que apertaram confirma mesmo vendo o que estava acontecendo. O golpe de partido mais bem dado de todos os tempos, e que infelizmente o povo caiu. O “protesto” de um milhão e trezentos mil eleitores eram para eleger apenas um mas, o que poucos sabem, ou poucos acreditaram é que ele carrega em suas barbas mais cinco deputados do partido. Lamentável isso.
Mais uma vez o Brasil nas capas de jornais do mundo todo mas, dessa vez não é por um motivo bom e sim a maior piada da história da democracia. Tiririca não sabe o que um deputado federal faz. Nós não sabemos como alguém pode ter votado nele. Não entendemos como ele foi eleito. Os que tanto reclamam da política e do Brasil em geral não fazem absolutamente nada. Ficha limpa vira ficha suja e assim vamos seguindo… de quatro em quatro anos tentando mudar ou finjindo que mudamos e escolhemos melhor na nossa grande festa da democracia com entrada obrigatória.


O som da lágrima

Porque mesmo existindo tantas pessoas a nossa volta chegamos a um ponto em que nos sentimos completamente sozinhos? Será que isso é que é ser carente?
Aquele imenso vazio que nada é capaz de preencher, por mais que agente tente… estará sempre lá, tomando conta de nós e de nosso interior. Amar não é somente maravilhas. Amar pode ser o pior castigo da existência de um ser humano. 
Dormir sem vontade de acordar, sair apenas para não voltar… ou sair sem a mínima ideia de onde ir ou se ao menos você irá chegar. Sim. Só se conta das belezas, flores e cores. Só se vê o lado colorido e feliz mas, e o lado negro? Vazio, frio e dolorido? Precisa-se alertar sobre os buracos na estrada para que os novos tombos, dos pobres inocentes que começaram a trilhar estes caminhos cobertos de espinhos pontiagudos, não sejam tão graves quanto os de quem já caiu.
Para que existe coisas tão ruins que são capazes de fazer tanto mal? Será que são para equilibrar a alegria e a tristeza? Apenas para nos lembrar de que nada é perfeito? Ou ainda para nos fazer refletir na esperança de preencher nosso vazio com porquês. Mas nunca é o suficiente? Onde está o limite? Quando chegaremos a todas as respostas? Será que hoje, amanhã… quem sabe?
Talvez seja num futuro próximo, ou quem sabe somente no fim dos tempos. Seja quando for, enquanto não chegar, a única coisa que temos a fazer é esperar e tentar suportar a dor. 

(Escrito em 11 de Abril de 2OO5)


Nada

Simplesmente isso. Sabe quando você quer falar e não sabe o que dizer? Que fazer algo, mas não sabe o que? Quer escrever e não sabe sobre o que? Me encontro neste beco, e pelo que vejo a saída (se realmente ela existir) não está nada próxima. 
Ah dias que sinto este vazio. Sinto minha vida oca, me faltando algo. Já tentei procurar tanto, e nunca acho, em nada, nunca. É tão complicado assim? Sim, é. E é ainda mais complicado quando você não sabe o que tem. Você simplesmente se sente sozinha, só você. Todos os bilhões de pessoas à volta não parecem estar lá, parecem estar longe. Em outro plano. E neste? Só você, unicamente você, você e seu eu próprio.
Alguns dizem que é falta de amor, outros que é depressão e ainda tem os super legais que acham que não é nada. Quem dera se esse vazio fosse realmente nada. Absolutamente nada. Nada além de um nada que soa e ser concreto mas não consegue. Algo que vem da mente. Coisa que você fez para você mesma sem perceber.
Ás vezes eu concordo que seja falta de amor, mas e minha teoria de que não precisamos dele? Onde fica? Fica na parte que parece que mais uma vez eu errei. Não sei porque. A maior parte das minhas amigas namoram, brigam e terminam. Eu sei todos os prós e os contras de se manter um relacionamento, mas tem horas que temos que parar de lutar com nós mesmos não? Ser um pouco mais a favor de nossas verdadeiras necessidades e vontades. 
Todos sabemos que o ser humano é incompleto mas nunca imaginei que era tão incompleto assim. Apenas uma casca, armadura feita de carne e sangue. Como um espantalho, boneco. Nada além disso. Um verdadeiro nada.
Temos nossos dias tristes, mas eu não estou triste ou acho que não estou. Até onde eu me conheço estou bem, não feliz mas bem. Normal digamos. Normal porém continuo vazia, ou cheia de nada, como preferir.
Preciso urgentemente de algo para me completar. Não sei o que, não sei onde procurar muito menos onde encontrar mas enquanto der, vou levando assim. Eu levo a vida, e a vida me leva. Não gosto dos caminhos e armadilhas que ela me preparou, mas quem gosta? Geralmente não estamos satisfeito com nada que ela nos proporciona mas não temos como nem quando reclamar, é a verdadeira roleta russa, você nasceu assim, sua vida é esta pare de reclamar e trabalhe para melhorar nada além disso.
Estou vazia, mas cheia. Cheia de tudo sabe? vontade de uma nova vida a todo o momento. Saco cheio de tantas cobranças e de tantas leis. Coisas pra fazer e para não fazer. Distância, amores imperfeitos, comidas que engordam, vestibular. Ó céus, deve ser por isso que ninguém fala sobre como é viver antes de viver não é? Porque se falassem apenas alguns viriam. Dane-se seria muito melhor. 
Perdoem toda a confusão em tudo, mas é assim que estou, é assim que minha cabeça está e não haveria maneira de disfarçar isso, levando em conta a pessoa real de carne e sangue que sou.



Herói


"Somos heróis. Todo mundo precisa de heróis. Nos consideramos heróis. Nosso heroísmo passa de geração para geração. Nossos problemas, nossas conquistas. Ressurreição, dar a volta por cima, vencer o inimigo. Essas coisas.
Ninguém é vilão, pelo menos ninguém quer ser. Nós não nos assumimos como pessoas ruins. Há sempre um porém, um motivo. Um não foi minha culpa, ou um mas se não fosse por este motivo, tudo estaria bem. Pense em você como um vilão. Pense um pouco mais. E se no final das contas, fôssemos exatamente tudo aquilo que negamos ser? E se formos filhos da puta? Traidores, oportunistas, interesseiros, invejosos, raivosos, depravados, infelizes, preconceituosos.
Se não fôssemos filhos de Deus? Ninguém olhando por nós. Olho por olho e dente por dente. E se os hipócritas não forem realmente hipócritas? A gente sempre erra. Podemos errar a respeito disso. A respeito de nós mesmos. Imagine você, um maldito confesso. Sem remorso. Apenas sendo quem você é. Um maldito. É tão ruim assim?
Afinal de contas, todo mundo parece tão vazio e distante. Menos nós. Nós somos os mártires, o estandarte da nobreza do espírito. E se nós fossemos os hipócritas? Quanto tempo isso duraria? E se nós fôssemos desistentes, deprimidos, frustrados, sempre querendo algo que não temos e não precisamos, se nós amamos pouco, se descartamos os outros. Quem seriam os heróis? Pra onde foi todo mundo?
E se a vida não tivesse sentido algum, apenas existência pura e simples e ao acaso? Ou se o amor não fosse amor e só reações químicas que seu cérebro faz somente pra fazer você espalhar seus genes tão pateticamente como fazem as flores com o pólen? E se o tempo passasse tão rápido que você não vê os dias chegarem, e nós iremos morrer em breve e sem nenhuma vida após isso? Nenhum presente, nenhum céu. Preto. Puf.
Você se pergunta: O que sobraria? Com ou sem sentido, as coisas continuam. Não depende de ninguém. Um dia você acorda, no outro dia não. Um dia você tem vontade, no outro dia não. Um dia, você tenta, no outro desiste. Um dia você desiste, no outro você ganha um novo herói. Um dia você tem vontade, no outro você não acorda. Nunca se sabe. Preto. Puf.
Quando todo mundo está ficando louco, menos você, quem é o louco? Quem você escolhe ser, o herói ou o vilão? Você se pergunta.Tem dias que não parecem dias. São dias que vem como trégua. Você senta e não faz nada. E nada. Num dia você sente vontade, no outro dia você quer. Tem dias que não dão trégua. Tem outros que te fazem bem. Mesmo se você for o vilão."

Paulo César Siqueira.


A morte é apenas uma travessia do mundo, tal como os amigos que atravessam o mar e permanecem vivo uns nos outros. Porque sentem necessidade de estar presentes, para amar e viver o que é onipresente. Nesse espelho divino vêem-se face a face; e sua conversa é livre e pura. Este é o consolo dos amigos e embora se dia que morrem, sua amizade e convívio estão, no melhor sentido, sempre presentes, porque são imortais.
Willian Penn.

In memorian

Sim, a morte é sem dúvidas o mistério mais doloroso que possa existir. Enfrentar isso é sem dúvidas algo muito complicado. Perder alguém, é tão doloroso que não há como descrever. A quinze minutos atrás você estava brincando com ela, e então você saí e a encontra morta. Sim, é apavorante. A morte só te faz uma coisa: te torna oco. Totalmente oco. Vazio. E não há como encontrar algo para encher, continuamos vazios até entendermos que não temos muitas escolhas quando nos referimos à isso e pronto. A vida vem, e vai, de uma forma inexplicável, e a única coisa que sobra é a saudade e a dor.
Você não tem opção. Ninguém tem. Eu também não tive. Foram minutos, e agora estou sem minha nega. Sim, é muito doloroso, sei que já disse isso, mas é uma dor tão grande que não cabe em mim. Minha alma chora em silêncio. Vontade de fugir, correr, gritar, e mesmo assim você permanece imóvel, sem reação alguma.
Quando algo têm que acontecer, acontece. Não importa o que tu faça ou o quanto isso pode machucar alguém, ela simplesmente acontecerá. Você pode se culpar, culpar os outros, o destino mas, no fundo, você sabe que não há culpados.
O instante é o mais poderoso de todos e tudo que possa existir. Nele se vive e se morre. Se perde e se ganha. Nada além de um instante. Só tenho a dizer é aproveite enquanto você têm, enquanto está ali, porque ninguém sabe a data de validade. 
É doloroso chegar em casa e não a encontrar comemorando minha presença. Estou semi-morta. Levaram um pedaço de mim hoje. Pode parecer a muitas pessoas ridículo, ou fraqueza mas, já dizia Clarice: “Nem sempre é necessário tornar-se forte. Temos que respeitar a nossa fraqueza”. Se for fraqueza, que seja. Mas enquanto me doer irei chorar. Chorarei pela saudade, pela revolta, pela dor. Chorarei por mim e por ela que já não pode me fazer mais feliz e mais humana. Chorarei pela outra que já não tem com quem dividir seus dias, dores e alegrias. Chorarei eternamente, até que o oco que existe dentro de mim, aquete-se e pare de me fazer sofrer, afinal ele nunca será preenchido.


#BlogDay

Tentei mas não consegui vir aqui mais cedo. Sério. Vida de estudante já é fóda, ainda mais quando essa estudante é de pré-vestibular… Sim, minha vida está um caos total ultimamente. Enfim, nada disso interessa a ninguém que lêe essas podres linhas, o negócio é que hoje é DIA DO BLOG! 
Sim, parabéns a todos nós blogueiros! Hoje é o nosso dia, apesar de que todos os dias são nossos. Todos os dias são de todo mundo. Todos aqueles que vivem pra fazer a vida acontecer.
Escrever é uma arte necessária que provoca um bem mútuo tanto no escritor, quanto à você que lê. Escrever é como limpar o céu escuro com a mão, e trazer de volta o mais radiante sol que possa existir. Escrever é gritar em silêncio, e escrever em um blog é poder gritar tão alto, mais tão alto que o mundo todo pode te ouvir. 
Morro de remorso a cada dia que não dedico pelo menos quinze minutos as essas minhas palavras entaladas em minha mente, mas o que fazer? O ser humano é imperfeito por natureza. Vivemos querendo algumas coisas que são possíveis e não corremos atrás e outras que não são possíveis e mesmo assim, você faz ela acontecer de qualquer forma. A vida é o instante agora, reclamar é desnecessário e ridículo, além de fazer você perder mais tempo ainda.

FELIZ DIA DO BLOG (:
(Escrito em 1º de Setembro de 2010)


Ser feliz, sozinho (?)

Tudo o que eu pretendo escrever aqui não fará muito efeito para você que vive um conto de fadas como todo mundo reza, pra você que vive do lado dos que são felizes e eternamente apaixonados e blá blá blá mas, espero fazer o mínimo de sentido possível (pelo menos) aos que compartilham da doce amargura da solidão comigo.
Aos que como eu, não sabem o que ser amado, ter alguém ao seu lado pra te fazer carinho a todo momento e todo esse blá blá blá melódico que é vendido a kilos por toda parte. 
É muito normal vermos pessoas solitárias reclamando, em estado depressivo, algumas até se suicidam e mais, só que elas não percebem o lado bom de tudo que há de ruim. Sim, TUDO tem um lado bom, basta você querer vê-lo. Precisei ver minha mãe comemorando seu aniversário rodeada de amigos que a amam e ela se divertindo como nunca mesmo depois de ser traída pelo meu pai, para entender isso. Reparei também que de todos os meus familiares o mais divertido e de bem com a vida é meu Tio Kim, que é um solteirão de quarenta anos. Motivo de sua felicidade? Casa própria, o salário dele é só DELE, festa todo final de semana (que às vezes inclui até quintas-feiras), viagens e tudo que há de melhor nesta vida.
Não, não precisamos de uma metade da laranja, ou pelo menos não precisamos transformar um limão em laranja para nos completar logo. Podemos sim esperar a pessoa certa ou morrer pela metade mesmo e isso não muda praticamente nada. Somos até mais livres solteiros. Não que amar seja ruim, mas quando se tem um histórico de rejeições tão complexo como o meu você entende que até é possível um amor verdadeiro mas que você se cansa se se empenhar demais à procura dele.
Os tombos são muitos, e dolorosos. Você não precisa se submeter a eles. Se tiver que acontecer um dia acontecerá de uma maneira ou outra não importa o que você faça. Tranquilize-se e aproveite a sua vida porque ela pode ser tão linda e perfeita quanto a da sua amiga que tem um namorado perfeito e louco por ela. Apaixone-se por você antes de procurar alguém que faça isso.
Felicidade, é uma questão de escolha.


Precisar vs querer

Quantas coisas você precisa nesse momento? E quantas você quer? À primeira vista pode parecer que as duas são a mesma coisa mas, a fundo, não são. 
Muitas pessoas perdem muito tempo cegas pela necessidade de adquirir algo, seja ele material ou espiritual, e quando finalmente atingem ou conseguem alcançar seu objetivo a sensação é simplesmente broxante mesmo. Deveríamos ter uma espécie de filtro, vindo de fábrica para podermos canalizar nossas forças e energias para o que realmente fosse necessário. Passei meses reclamando que queria um namorado e que tooodo mundo tinha, menos eu, e só quando surgiu um infeliz do nada é que eu parei pra pensar que eu no fundo no fundo NÃO quero isso agora, NÃO mesmo.
É muito complicado perdemos tempo das nossas vidas e só depois nos darmos conta disso. Algumas coisas você PRECISA e outras você apenas QUER, por um capricho ou pro outro motivo qualquer. Querer na verdade, nem sempre é poder. Cabe a cada um de nós concretizar algo ou dissolvê-lo na imaginação, afinal sonhos são tão necessários quanto o ar que vitaliza nossas pobres vidas.
O que seria da humanidade sem cinco minutos de loucuras diários?
O ideal seria que cada um de nós refletíssemos antes de tomar qualquer atitude em nossas vidas: “isto é necessário ou eu apenas quero”, acredite em mim, sua vida será menos broxante, mais concreta e você terá o dobro de realizações.


"Já escondi um amor com medo de perdê-lo, já perdi um amor por escondê-lo.
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade… Já tive medo do escuro, hoje no escuro “me acho, me agacho, fico ali”.
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.
Já chamei pessoas próximas de “amigo” e descobri que não eram…
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim."

Clarice Lispector

Endomingando-se

Qual o problema do domingo? Antigamente ele era um dia super especial no qual as famílias se reuniam para almoçar ou fazer piquiniques, passear e tudo mais. Era dia de futebol com os amigos, andar de bicileta com os filhos. Era dia da dona de casa sentar pra ver televisão nem que fosse um pouco. O domingo de antes era vivível.
Os domingos de agora são um desafio para todos nós. A cada domingo que chega mais tédio se acumula em nossas vidas. Domingo é sem dúvida o dia em que mais rezamos para acordar as sete da noite. É o dia que nunca queremos que chegue, e quando chega só reclamamos. 
Qual o problema do domingo? Será que é o dia ou as pessoas que fizeram do domingo um grande e tedioso problema? A televisão também não ajuda, trazendo programas e quadros constantemente deprimentes, com falsos pop stars e febrinhas atuais. Fantástico, na minha época, era realmente fantástico. Tinha quadros sobre dinossauros e evolução do DNA. Falavam-se sobre doenças e suas curas e tudo mais! Hoje não passa de uma extensão dos modismos só que maquiada, para não parecer modismos. Só passam coisas que supostamente eram para jovens, mas na verdade são para aspirantes a jovens, na faixa etária de 10 a 14 anos. 
O capitalismo que corrói a humanidade nunca corroeu tanto a tv. Hoje não querem saber se o programa é bom, ou se quer interessante, apenas querem audiência. E o pior de tudo isso é que existem vegetais chamados de pessoas, sem um pingo de atitude e personalidade que assistem esse comércio de lixo e ainda ousam dizer que está ótimo. 
PC Siqueira disse em um de seus vídeos que as pessoas “Endomingam-se” no domingo, pois a sensação de tédio e desconforto é tanta que não é comprara a nada existente. Domingo é um dia único e assim deriva-se o verbo Endomingar, referente ao nosso comportamento e sentimentos nesse dia tão tedioso.
Domingo parece um castigo, não há nada pra fazer e nada para ver, e quando você pensa em algo legal, não encontra ninguém para te acompanhar porque todo mundo arrumou algo para fazer, menos você. E assim a depressão aumenta. 
Sagrado seja quem criou o “Pânico na TV” para nos salvar, amém.


Inutilia Truncat

“Desfazendo-se do inútil” e sem sombra de dúvidas o medo é a coisa mais inútil existente na vida humana. Ele só serve para nos impedir de fazer coisas que concerteza vamos nos arrepender e muito depois por não ter feito elas. Charles Chaplin já dizia que o medo era como uma máscara, que só nos impedia de ver, sentir e ouvir as coisas como elas realmente são e estão, cabe a cada um de nós transformá-lo em um chapéu. 
Quantas oportunidades já perdemos por medo? Quantas amizades? Namoros? Paixões… o medo sem dúvida já complicou a vida de muita gente. Liberte-se desse mal. Fuja de todo o medo que te cerca. As melhores coisas da vida acontecem tão repentinamente que mal temos tempo para perceber que elas estão acontecendo. 
Permita-se ser feliz. Liberte-se de si mesma, de todos os seus receios e problemas. Por mais escura que seja a noite o dia sempre vem depois e sabemos disso. Tudo dá certo no final, e se ainda não estiver certo é porque ainda não é o final. 
A vida é muito melhor do que todas as limitações impostas por elas. Problemas existem para tornar a vida divertida afinal, se tudo fosse fácil, morreríamos de tédio muito rápido. 
A chuva pode ser a pior tempestade, mas ela traz consigo um lindo arco-íris no final, só nos cabe ter sabedoria para esperar e tirar proveito e boas lições das maiores dificuldades.
A vida não vem com manual de instruções, e isso é o que ela tem de melhor (:


“Eu tava triste, tristinho ♫”

Essa verso da música Telegrama, do saudoso Zeca Baleiro é uma das que mais bem descrevem a geração de hoje. Constantemente tristes, entediados, desanimados…Constantemente sem nada pra fazer, muitas horas no computador e constantes amizades cada vez mais distantes. Para que dificultar tanto?
É muita depressão pra tão pouca gente não acham!? só no Brasil morrem todos os dias 24 pessoas por suicídio… tenso não?! E nos Estados Unidos que a maior parte dos depressivos são adolescentes?! A época da vida que mais teríamos força pra viver e alegria, é a que mais nos entristece. Porque será que a vida está tão monótona? Será que é mais cômodo ser tediosa? ou a comodidade nos seduziu completamente? 
A situação é desesperadora mas é ainda mais desesperador o fato de perceber que muitos reclamam constantemente pelo tédio mas são pouquíssimos que se movem para fazer algo.
Vamos! anima-te! a vida é muito mais do que sentar e reclamar.


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Conjugando o verbo amar


Sabe, tudo o que se conhece sobre dor fica totalmente diferente quando se percebe que perdeu. Perder é algo realmente doloroso e inconfundível, principalmente quando falamos de amor. Que contos de fadas não existem todo mundo sabe, mas ainda temos esperança de que aconteça com nós. Não sabemos porque nem pra que mas desejamos profundamente que nosso príncipe chegue com seu cavalo branco e nos peça em casamento. O que realmente acontece é que geralmente ele não vem, ou demora demais pra chegar. E mesmo sabendo que ele não existia ficamos acabadas com isso.
Não tenho a melhor experiência do mundo com relacionamentos. Todos os amores que tive até hoje foram platônicos, nunca correspondidos. Isso é muito complicado pra mim, o primeiro, por exemplo, me resultou em uma depressão moderada e três anos de tratamento.
No começo foi tudo um mar de rosas, ele era sem dúvidas o amor da minha vida, e aos poucos ele se tornou o pior erro que eu poderia cometer. Sua indecisão estressalhou meu coração muitas e muitas vezes, sem nenhuma piedade. Isso é triste mas tudo acontece por algum motivo. Sei que isso não é um problema exclusivo meu, e que têm MUITA gente por aí que sabe muito bem o que eu estou passando.
Gostaria de puder controlar o tempo, mudar as coisas… Gostaria de por um dia ter o controle do mundo todo mas, será que assim conseguiria que pelo menos uma vez ele olhasse pra mim como realmente sou e não a amiguinha que está sempre lá para o apoiar? Queria muito mesmo que ele olhasse para trás e visse o que perdeu. Ele se arrependeria muito, sei disso. Mas isso não pode acontecer, simplesmente não pode. Essa é a lei da vida: queremos quem não nos quer, e quem nos quer nós não queremos. E tem que ser assim, até que a própria vida decida te presentear com algo que valha a pena viver.
Dane-se sabe, dane-se tudo. O que interessa agora é que a realidade bateu na minha cara, (mais uma vez) e que eu não posso fazer nada além de me acostumar e vencer a dor, afinal ela está aqui pra me fazer crescer. Pode ser que os contos de fadas sejam apenas historinhas que nos contam quando somos crianças para crescermos acreditando na felicidade. Talvez o amor, no fundo seja apenas um amigo imaginário que criamos para nos auto-afirmar, ou não.
A gente quer fugir, beber, gritar, chorar, ou até se matar mas, sabemos que amanhã nada disso vai estar assim e que vamos acordar nos sentindo um lixo e que logo logo voltaremos a esperar nosso princípe no cavalo branco. Queremos mas não podemos. A verdade é essa. É certo que por mais escura que seja a noite, o dia sempre vem, e que um dia ou outro encontraremos a felicidade, mesmo que ela não seja como esperamos nem com a aparência que achamos que é. O problema está em ter que quebrar a cara muitas vezes até se dar conta de tudo isso.
De hoje em diante (mais uma vez), e sempre será assim, afinal eu me conheço melhor do que ninguém (ou pelo menos acho que sim), as coisas serão diferentes. Prometo a mim mesma não me fazer chorar por coisas idiotas na frente do computador à uma e meia da manhã lamentando pelo o que eu não fiz, e sim fazer a vida valer um pouco mais a pena, eu só tenho essa. Acordar gostando mais de mim, como muitas fazem e conseguem. Não tenho certeza nenhuma sobre isso. Nem se vai dar certo ou não. A única coisa que sei é que presciso acreditar em pelo menos uma coisa positiva, para que talvez assim o arco-íris sorria para mim.




Mudar é preciso

Mudanças geralmente são azedas. Geralmente não nos agrada muito logo de início, mas sabemos que no fundo no fundo aquilo tudo é necessário. Mudar de casa, escola, cidade, país, mudar a cor do cabelo, o corte, mudar de curso… Sempre foi assim e sempre será: Tudo que é diferente soa diferente ao nosso olhar.
Não é uma obrigação da mudança nos agradar logo de início, e nem de nos desagradar, tudo depende de nós mesmos. Precisamos acreditar, primeiro de tudo. Precisamos saber que vai dar certo, sempre! Afinal, pensamentos positivos movem montanhas.
Essa semana deletei meu antigo perfil do orkut, e não foi nem de longe confortável. Sei que é uma coisa banal para muitos mas mantive esse profile desde Janeiro de 2006. Foi sempre o mesmo, e ele nunca me deu trabalho em nada. Eu apenas senti que estava na hora de mudar. 
Antevendo uma grande mudança em minha vida é que a fase de sair de casa. Ano que vem vou pra faculdade, vou morar sozinha, e mesmo sendo a duas horas e pouco daqui de casa, estarei em pensamento um tanto longe. Nada é eterno, por mais que quiséssemos nem poderia ser. Tudo muda, o tempo passa as pessoas mudam, a mudança é mais do que necessária para a adaptação. 
Deletei meu perfil, fiz outro (claro) deixei para trás meus aplicativos que tanto eu gostava. Sim! eu era muito viciada! acordava as cinco da manhã pra cuidar da minha colheita, cheguei até a pagar boletos e tudo, mas senti que essa minha fase tinha que terminar. Tive que deixar para trás uma Jôicy velha, que passava horas numa vida online que no fundo no fundo não era necessária. Não que minha antiga vida fosse ruim, eu adorava ela, mas senti que era necessário. Precisei mudar. 
Todos precisamos mudar mais cedo ou mais tarde, é algo de extinto, como o amor. Aceitar não é a opção mais confortável, mas é a única. Com muita calma o assustador futuro torna-se um magnífico presente e continuamos a esperar o futuro seguinte.


Aceite

Raramente encontramos alguém que está plenamente satisfeito consigo mesmo. Acho que no fundo no fundo todos temos algo que queremos mudar. Magros querem engordar, gordos querem emagrecer, gente de cabelo liso queria enrolá-los, gente de cabelo cacheado queria alisá-los e assim por diante.
O mundo nunca foi, e nunca será, nem de longe, algo harmonioso. Ao mesmo tempo que existe pessoas gastando fortunas com academias, regimes e plásticas, também existem 20 milhões de pessoas morrendo, por ano, devido a desnutrição. 
Não existe uma segunda chance. Você não pode mudar o que você é, por mais que queira. É como um sorteio, você nasce com uma personalidade e um corpo. Aceite isso, é uma condição de vida. Quanto mais se muda, mais terá para se mudar. 
A felicidade plena só é possível depois de estarmos felizes com agente mesmo. Aceite seu corpo, seu cabelo, seus olhos. Aceite suas qualidades e defeitos, e só depois disso você parar pra perceber se as outras pessoas também aceitam, afinal a prioridade é você. É a sua vida, não a delas. Deixe que elas cuidem dos próprios corpos, e você que cuide do seu. Cada um de nós temos um próprio, particular e só serve para nós, pra mais ninguém.



Californication

É difícil acreditar que um dia o comportamento humano foi diferente quando nos deparamos com a nossa raça hoje. O que antes, era problema só da nobreza hoje, se alastrou em todas as classes e mundos. 
Cada vez mais e mais pessoas passam suas vidas tentando criar algo que existe somente na mente delas, o chamado Status. Sinceramente não entendo a tão monstruosa importância que essas pessoas dão a isso. É completamente inútil afinal, você pode parecer a melhor pessoa do mundo mas, você no fundo você é quem você é pronto!
Já não importa o que é isso, e como você conseguiu o que importa é que você têm, e piora mais e mais a cada dia. Crianças nascem sem ter um teto mas, vão pra escola de Colcci. No mínimo: Lastimável. Hipocrisia é vendida a quilos, falsidade vêm de brinde. E a humanidade cada dia mais podre.
Cada dia mais cheios de uma vida tão vazia, como já disseram Engenheiros do Hawaí. É inacreditável que pessoas passem a vida toda tentando gastar um dinheiro que elas não têm, para comprar coisas as quais elas não querem/gostam para parecem quem elas não são. Cada um têm apenas uma chance, uma vida, e ela não pára para percebemos o que está errado e o que está certo.

Amizade

Você já parou pra pensar o que seria de sua vida sem seus amigos? Geralmente só damos o devido valor à alguém depois que a perdermos, e isso é um grande problema. Por mais que você brigue com seus amigos, ou não, são eles que te apóiam nas mais diferentes situações. São eles que estão com você nos momentos bons e ruins.
Amigos, são os irmãos que não tivemos. Eu por exemplo não me vejo sem meus amigos em hipótese alguma, eles são minha vida! São com eles que divido todos os acontecimentos da minha vida, dependo deles pra viver. Longe ou perto são sempre meus, e moram no meu coração, SEMPRE.
Solidão é concerteza meu maior medo, e acho que de muitas pessoas também. Cultive amigos e viva rodeado de felicidade. Amigos intensificam nossas vidas de uma forma muito mágica que não pode ser deixada de lado.
Sinto pena das pessoas que não têm amigos, ou as que evitam ter. Do fundo da minha alma: sinto MUITA pena. Sem sombra de dúvidas são essas pessoas que mais necessitam de apoio e são as mais tristes. 
A amizade é sem dúvida o amor mais puro que há na terra. Mas puro e mais alegre. É a amizade que colore as nossas vidas. É amizade que faz tudo valer a pena. Dê mais valor aos que estão ao seu lado. Hoje percebo como isso é importante, grande parte dos meus amigos, os que eu mais dependia, se mudaram e estão de mudando a cada dia. E assim me sinto cada vez mais sozinha. Dê valor aos seus enquanto eles estão por perto, distancia e saudade doem muito. E como já dizia minha diva Clarice Lispector: “dê valor as coisas enquanto as possuí, pois sentir saudade não é o suficiente para tê-las de volta”.


Feliz Dia Internacional da Amizade.
(Escrito em 20 de Julho de 2010)




Escolhas

Sem sombra de dúvidas escolher é uma tarefa muito difícil, seja ela em qualquer situação ou idade. Escolher é parte de nosso cotidiano e de nossa rotina, escolhemos desde a roupa que vamos colocar até se vamos pro trabalho de carro/bicicleta ou ônibus. Escolhemos músicas, cores e amigos. Só não podemos escolher a família em que nascemos.
A parte mais complicada de escolher é que muitas vezes não estamos preparadas para isso, ou quem sabe não queremos passar a isso neste momento mas, a vida não pára para te esperar, para esperar que você amadureça e tenha coragem para enfrentar suas dúvidas e optar por um caminho. Se você não acompanha o ritmo da vida, a vida te carrega de uma maneira nada confortável. 
Como escolher? Como ter a certeza de que estamos indo no caminho certo? Que realmente é esse o curso que você quer, nessa faculdade? ou que é esse o lugar que você quer morar? Infelizmente ninguém teve as repostas para isso ainda. 
Além da pressão normal que o tempo faz sobre nós, têm também aqueles que de alguma forma ou te outra já passaram pela mesma situação e tentam te ajudar mas, no fundo no fundo, é tanta ajuda no mesmo lugar que se torna muito mais difícil do que era antes.
E a unica coisa que se pode ter certeza na vida é que você só tem UMA vida, e ela passa muito mais rápido do que se pode imaginar. Essa é a sua vida, sua chance e a unica pessoa que pode e deve tomar as decisões é você mesmo.
Decida-se pela sua vida, opte por você, escolha a sua felicidade.



Meninas são tão mulheres...

Sabe, eu bem que queria mas não posso escapar do clichê: “Ser mulher é muito difícil”. Juro que tentei viu! E outra coisa que tentei também foi descobrir onde algumas pessoas ainda arrumam argumentos (mesmo que fajuta) sobre as mulheres serem um sexo frágil. 
Como algumas pessoas ainda conseguem arrumar tempo para isso? Tudo é sempre culpa da mulher, e a mulher sempre está errada: Eva que comeu a maçã, mulher é quem dirige mal, mulher nunca fala nada com nada e só sabe falar de moda e cabelo. Tudo conversa! Queria ver se a metade dos homens que enchem a boca para falarem de nós, conseguiriam viver sem nós ou fazer a metade das coisas que fazemos. Todos sabem querer e exigir, mas parabenizar quando é necessário não né? tipo: sempre temos que estar lindas e cheirosas não importa o dia e a hora mas, ninguém sabe nos elogiar quando realmente nos preparamos para isso, a não ser que alguma outra mulher elogie.
Somos mães, empregadas, gerentes, chefes, esposas, donas de casa, babás, cozinheiras… E mais: Somos deusas, divas e super-poderosas. Enfrentamos todos os dias uma batalha árdua para chegarmos em casa e ouvir alguém reclamando. Enfrentamos trânsito, reclamações do colégio do filho, reclamações do filho, reclamações na empresa, bronca do chefe, almoço corrido, reunião cansativa, pegamos mais trânsito, chegamos correndo pra fazer o jantar, e ainda sorrimos com tudo isso. Enfrentamos TPM e menstruação todo mês, depilação, gravidez e dor do parto, sim sofremos muito para não recebermos o devido valor.
E o mais incrível de tudo isso, é que ele sempre tem uma força que não se sabe de aonde vem. O extinto feminino nunca nos abandona e é por isso que continuamos aqui firmes e fortes, mesmo com a traição do marido, com o preconceito no trabalho, mesmo sendo consideradas bruxas na antiguidade, mesmo sendo sacrificadas em alguns países, mesmo culpadas por muitos erros que não cometemos, continuamos aqui, apesar dos pesares.


Fé, religião e crenças

Em tempos de fim do mundo, profecias, desastres naturais e pandemias, toda e qualquer coisa que ajude a nos dar esperanças, fortificar ou até mesmo aumentar as existentes, é válida. Até que ponto chega a fé das pessoas? Loucura, fascínio, fanatismo, pura verdade? Você realmente crê em tudo que diz crer?
 A maior parte dos religiosos, de todo tipo de crença afirma que os ateus são pessoas que ainda não conheceram o poder de Deus mas, na verdade, grande parte dos argumentos utilizados por ateus, são de fato retirados das próprias doutrinas e da história da religião. Sem contar que praticamente todos os que são hoje ateus declarados, já foram ou participaram de alguma igreja ou instituição.
Todo mundo adora dizer e querer provar o quão bondoso e poderoso o “seu Deus” é mas odeiam quando são questionados sobre as controversas e erros da igreja tanto no passado, quanto no presente.
Religião é hoje não a solução para a humanidade mas sim o maior problema. A religião faz, de certa forma, com que o ser humano deixe de pensar por si só e adquira um modelo de pensamento totalmente padronizado, sem precisar se questionar por vários assuntos, subestimando a inteligência humana. Isso é tão constante e necessário na vida de certas pessoas porque pensando de forma padronizada elas têm uma maior tendência a chegar em conclusões positivas e confortáveis, o que só serve para massagear o ego delas próprias.
A hipocrisia destilada nos meios religiosos é sem dúvida a pior parte de tudo. As pessoas excomungam, castigam, odeiam, e desejam todo o mal possível para toda e qualquer pessoa que discorde de suas ideias religiosas às quais nem ela mesmo segue totalmente à risca e ainda assim, as pessoas dizem seguir para parecem melhores que as não-religiosas.

“O que te define como pessoa são as atitudes que você toma e em quais situações você toma e não as coisas em geral (…) Agente não é o que agente quer, agente é o que agente é e pronto!”
PC Siqueira.


Eu perco, tu perdes, ele perde...

Percas são inevitáveis, e nem todo mundo consegue lidar bem com isso. Perdemos contato com amigos que se mudaram, perdemos amizades, perdemos entes queridos… oportunidades maravilhosas… perdemos um brinquedo que gostávamos tanto, um programa que você queria MUITO assistir, perdemos uma festa porque estávamos doente… perdemos peças dos jogos, perdemos amores, perdemos apostas, jogos… Sim, perdemos…
Todo mundo perde, e isso é inevitavelmente comum. Perder faz parte do cotidiano do ser humano, cabe a nós sabermos lidar com isso. Cabe a cada um de nós sabermos levar cada perda como um ponto a mais de experiência, pois assim como nossos erros, elas nos servem para crescimento e renovação das forças. Nada é eterno. 
Levar cada perda como um ensinamento, tirar uma lição de cada problema, e só assim conseguiremos trilhar um caminho sólido. 


Inevitável frustração

Quem nunca fez contagem regressiva pra algo? Que ficou loucamente ansioso para algum acontecimento e no dia, foi um desastre ou durou pouco demais. 
Sim, a vida vive para nos surpreender. E por incrível que pareça, é muito melhor assim. Surpresas e segredos podem ser muito mais agradáveis do que se possa imaginar. 
As melhores coisas da vida nos acontece quando menos esperamos. O novo nos encanta, e é mais bonito por si só. Têm um poder de atração muito maior do que qualquer outra coisa.
Festas mega badaladas que todo mundo vai, sempre têm algo desagradável (ou não). A questão é, aquela tarde entre amigos, sem fazer nada, foi absolutamente muito mais legal do que essa merda de festa. 
Viva e deixe viver, deixe que a vida te leve e te surpreenda a cada dia, essa sim é a receita da felicidade.



Geração entediados, geração manipulável

É um grande clichê, mas realmente éramos felizes e não sabíamos. Ouça seus pais, ou avós, contando sobre a infância e juventude deles, tenso não? Parece que eles vieram de outro planeta. Galera que como eu, viveu na década de noventa, ainda aproveitou um restante do verdadeiro sentido da palavra viver, e se lembra disso.
Antigamente não se tinha muita coisa pra fazer. Não existia computador, internet, orkut, nada! E todo mundo VIVIA, literalmente. Hoje, temos tudo que a tecnologia nos pôde oferecer, e o que acontece? Vivemos entediados. Sem absolutamente nada pra fazer.
É raro, grupos de amigos saírem juntos para se divertir, ir ao cinema e à algum show. E isso é muito mais triste do que se parece. As taxas de adolescentes com depressão só sobem, e são os que mais se suicidam ultimamente.
Não foi só as amizades que foram extintas, e a vida. Músicas hoje são sinônimos de lixo. Não têm mais letra, e parece que quanto mais ruim for, melhor. A juventude está cada vez mais fútil, e muito mais manipulável, e isso é apavorante afinal, todos os grande feitos da história foram feitos por pessoas que se importavam em fazer a diferença, e ao que parece, ninguém quer fazer isso hoje. Para ser mais exata, quanto mais igual ao outro você for, melhor.
As mídias cada vez mais voltadas para criarem e aumentarem as massas. E isso realmente é apavorante. Caminhamos lentamente para uma unificação de seres, e não para a globalização. Espero que ao menos, existam pessoas que percebem o risco que isto apresenta.
“O medo do normal, nos guiará a perfeição” e apesar disso estar cada vez mais distante, eu ainda acredito, e torço para que outras pessoas acreditem também.


Quantas coisas já perdi por medo de perder?

Insegurança. Medo. Cautela. Talvez uma das coisas que mais nos faz falta na adolescência e quando adultos, seja a inocência. Quando somos crianças vivemos muito mais intensamente, vivemos tudo ao extremo, tanto os problemas como as alegrias. 
Quantas coisas você se arrependeu de não ter feito por algum motivo? Claro que também existem as que você se arrependeu por ter feito, mas essas serviram no mínimo de algum ensinamento. 
Temos apenas uma vida, e devemos aproveitá-la ao extremo, em todos os sentidos. Afinal temos que passar por tudo, de um jeito ou de outro. Talvez você até evite uma dor hoje, mas no futuro ela pode voltar, e quando volta, sempre tende a ser pior. 
Medos são constantes. Todos temos medos, e isso é um fato. Podem ser antigos, ou até mesmo adquiridos recentemente. A questão é, devemos vencê-los a qualquer custo. 
Não se prive de um novo amor, porque o antigo foi ruim afinal, as coisas mudam e as pessoas são diferentes. Não se prive de fazer uma viagem, ou de qualquer coisa por qualquer motivo, privar-se é matar-se aos poucos.
Vá até as últimas conseqüências, na alegria e na tristeza, pois só assim, você chegará a uma vida totalmente plena e satisfatória.


Primeiro

Você já parou para reparar na força desta palavra? Primeiro. Estranha não? 
Tudo que é “o primeiro” tem por dom ser especial somente por ser primeiro. Não importa se é o primeiro beijo, primeiro amor, ou primeiro caderno, sempre é profundamente especial, ou traumatizante. A primeira vez que qualquer coisa acontece em nossas vidas, de alguma forma, ele tem que ser inesquecível; Seja ela muito ruim, extremamente traumatizante, ou simplesmente a melhor coisa que já ocorreu em nossas vidas.
Como nossas vidas seriam se enfrentássemos nossos dias com toda a alegria da primeira viajem em família, ou do primeiro dia de aula? Sim, seria perfeita. Muito mais perfeita do que se pode imaginar. A inocência do primeiro tombo de bicicleta, empregada em todos os dias ruins de nossas vidas, afinal, se não soubéssemos realmente quão ruim isso seria, talvez escapássemos da grave tendência humana a aumentar os problemas e reduzir as vitórias. 
Sorria, como se nunca tivesse feito isso.