quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Banho de chuva

No interior úmido de um bosque, um macaco e uma raposa mantinham uma amizade incrível. Ninguém nunca acreditou muito nos dois, ou se quer chegou a entender como aquele relacionamento acontecia. Eles simplesmente eram, e foram desde o primeiro minuto em que eles se viram.
Juntos eles viveram bons tempos sozinhos, excelentes períodos de felicidade com seus bandos e já haviam sobrevivo até a uma grande traição, que mesmo que ainda doa não havia conseguido separar os dois.
Ambos já choraram muito. Tanto que já souberam que iriam secar por dentro, inteirinhos, e virar pó. Mas não. A Raposa esteve ali pelo Macaco, contando com a presença dele como um verdadeiro irmão.
Irmãos que nasceram de um banho de chuva.
Muitas estações se passaram e no meio do caminho, a Raposa ficou triste. Muito, muito triste.
E em um belo dia o Macaco não esteve ali.
Desta vez, pela primeira vez em muito tempo, o Macaco estava bem, cumprindo o seu papel na floresta, religiosamente e por um minuto, esqueceu-se o quanto era importante que ele continuasse ali. Costumava ser o elo entre eles, o fato de ambos terem vidas que apenas davam errado. Eles sabiam disso, e riam todos os dias, juntos, mas agora não fazia mais sentido.
Ele agora era um ser melhor por ter encontrado a paz interior, mas passou a ignorar todo o restante.
Um belo dia ele até que quis ficar, mas não deu. Ele tentou continuar, mas não estava lá.
Seu corpo continuava ali, um Macaquinho bravo, gritando com a Raposa sobre as coisas bonitas da vida e como ela não poderia mais ficar triste assim. E a Raposa só ficava mais e mais triste, sozinha e sem querer ver ninguém.
Vez ou outra, na primavera, eles se enganavam trocando cartas. Insistindo que ainda eram amigos e nada havia mudado. Mas tudo mudou. O mundo gira em tangente, nem tudo é recíproco como deveria.
O Macaco cresceu na vida, se tornou chefe do bando e migrou para o litoral.
A Raposa começou a cavar uma toca, e disse que cavaria até não ter mais forças.
No outono seguinte aconteceu um grande incêndio, milhares de hectares transformados em cinzas.
Assim como aquela amizade, incrível.
Assim como todo o restante.
E a Raposa, que finalmente parou de cavar.